©2019 by Livia Medeiros.

Buscar
  • Livia Medeiros

Pirâmide Financeira, MMN e Venda Direta — Vale à pena?

Atualizado: 5 de Mai de 2019



Você é convidado por um amigo (ou não) pra uma reunião onde será apresentada uma oportunidade de negócios.


Na reunião (ou evento, ou palestra, ou show) alguém te diz que é possível ganhar muito dinheiro com pouco trabalho e baixo risco. Mas a pessoa não só fala, a pessoa prova! A pessoa mostra extrato da conta bancária com depósitos de quatro dígitos, outro pessoa conta que ganhou cinco dígitos…


Aí vem alguém mostrar o carro que ganhou ou comprou sei lá, no valor de 6 dígitos. A casa, a viagem..E aí pra fechar com chave de ouro vem a oportunidade da sua vida.


Você pode fazer parte de tudo isso!


Basta você … fazer o que?!


Cair no golpe.


Se você nunca entrou nessa, certamente conhece alguém que caiu.


À primeira vista, parece uma excelente oportunidade. Te apresentam um negócio de alta rentabilidade, com baixo risco, basta você entrar numa rede, comprar um pacote, ou pagar uma taxa e trabalhar pra trazer cada vez mais pessoas pro grupo.


Um dos casos recentes de pirâmide financeira mais famosos foi o Telex Free. Pirâmide financeira é crime e por isso, esse caso terminou na Justiça.. assim como BBom, Boi Gordo, Avestruz Master etc..


Mas pra cada empresa dessas que são investigadas na Justiça existem outras muito sólidas, com credibilidade, e que usam o mesmo princípio de rede pra atuar legitimamente, ganhar dinheiro, e ajudar as pessoas a ganhar dinheiro.


Essas empresas organizam seus vendedores em rede mas não são pirâmides — praticam o marketing multinível.


Pra entender a diferença de pirâmide e marketing multinível, precisamos começar do começo. E o começo é o sistema de vendas diretas.


A Venda direta é um sistema em que um fornecedor central repassa produtos para vendedores e esses tem relação direta com os consumidores finais. Os clientes. Exemplo mais famoso: a AVON.


A vendedora da AVON te mostra a revista, você (cliente) escolhe os produtos, ela recebe o produto de um distribuidor e vende DIRETO pra você.


Mais de 4 milhões de pessoas são cadastrados como vendedores diretos no Brasil. É uma fonte de renda extra pra muitos brasileiros. As vezes, é a renda principal, que sustenta a casa. E nada de errado ou ilegal nisso até aqui.


Outra coisa é o Marketing Multinível.


É um modelo de venda direta também, onde o ganho vem não só da venda do produto em si como também do recrutamento indireto de vendedores. Quem recruta ganha um pouco nos resultados dos recrutados. O foco do MMN é formar uma rede em que, quanto maior for a base de recrutados, mais ganha quem estiver nos níveis acima.


Esse rede tem um formato levemente piramidal. Mas até aqui, nada de ilegal TAMBÉM.

Existem várias empresas sérias que atuam no mercado de vendas diretas e MMN há várias décadas. Inclusive, vale mencionar que o Kiosaky escreveu um livro sobre MMN, chamando ele de “O Negócio do Século XXI”.


Então a venda direta e o MMN são modelos de negócio legais onde o lucro pode vir tanto da venda direta quanto do recrutamentos de novos vendedores pra REDE.


O problema surge quando a rede é a própria sustentação do negócio, o que configura pirâmide financeira.


A empresa é uma pirâmide quando o lucro com a venda do produto ao consumidor final é insignificante. Nâo é importante pra empresa. Não se busca a venda final. Ou porque o produto é ruim, ou porque ele é irrelevante na estrutura, foi criado ali apenas pra justificar a expansão da rede. Quando não tem produto nenhum, e apenas captação de valores financeiros, aí chamamos de esquema Ponzi.


Pirâmide e esquema Ponzi é ilegal, tanto no Brasil quanto em outros países, porque nessa estrutura, a pirâmide não se sustenta.


Se a empresa não tem foco na venda ao consumidor final, é uma pirâmide construída sem fundação, e ela está fadada a ruir. E quando ela cair, vai começar derrubando quem tá por baixo.


Então preste atenção. Você vai saber que uma empresa é pirâmide quando ela pega um produto ruim, de baixa qualidade, embala como um produto milagroso, caro.. e obriga os novos vendedores a comprar estoque pra entrar na rede.


Depois, injetam muita adrenalina no coração desses revendedores pra fazer com que eles fiquem apaixonados não pelo produto, mas por trazer gente pra rede.


Então numa empresa de MMN, se você não vê nenhum foco no produto, na venda final mas só paixão pelo crescimento da rede em si, MUITO cuidado. Pode ser pirâmide.


No marketing multinível legítimo, sério, os revendedores estão trabalhando sempre pra vender pra pessoas de fora da rede.


A grana vem de vender coisas pro público. Pra gente de fora. Aí é uma rede legal.

Na pirâmide, só se fala de chamar mais gente pra rede, ganhar dinheiro com a rede.. e aí ninguém vende nada…


Quem entrou, e não recrutou ninguém, não vai ganhar nada… e acaba ficando com aquela caixa de produtos encalhados ali porque ninguém ensinou a vender, não teve treinamento sério, ninguém te deu informação sobre o produto, ninguém fala se ele é bom mesmo… nada..só se fala da rede.


Só se vende dentro da rede. Aí é pirâmide.


Aliás, leve isso pra vida. Sempre que alguém prometer dinheiro fácil, sem muito trabalho ou sem correr risco, já é um claro sinal pra você desconfiar.


E não adianta dizer “ah.. mas esse não é pirâmide porque meu amigo recebeu dinheiro, meu irmão ganhou dinheiro, eu vi com meus próprios olhos..”.


Tem gente que ganha dinheiro mesmo, por um tempo. Às vezes a pirâmide funciona por décadas. Mas às custas das pessoas que estão entrando na base. As pessoas em cujas mãos a batata quente vai explodir. (Perai, batata quente explode? não.. ela queima né.. haha)


A pirâmide sobrevive só enquanto o dinheiro dos novos clientes estiver entrando pra pagar os clientes antigos. E isso não funciona pra sempre.


Então vamos lá.


Digamos que você achou uma empresa de MMN e você quer saber se a empresa é séria.


Um bom começo é pesquisar na internet. Você pode ver se ela é cadastrada na Associação Brasileira de Vendas Diretas. Se tiver lá é um bom sinal, significa que eles se comprometeram a seguir um código de ética com padrões internacionais. Só pra mencionar algumas associadas: Mary Kary, Polishop, Racco, Tupperware, Natura, Hinode, Avon, Herbalife, Forever, e um tanto de outras.


Alem disso, pesquise a empresa no Reclame Aqui. Procure processos judiciais. Consulte o PROCON do seu estado. Converse com pessoas que já foram revendedoras e saíram dela. Pergunte porquê.


Aí digamos que você confirmou que tá tudo ok com a empresa. Você quer entrar.

Sua dúvida é: vale a pena? É um bom negócio?


Tem que pensar direitinho... Não é porque a rede é boa, que você vai com certeza ganhar dinheiro nela. Pra decidir se vale a pena entrar numa rede e se tornar um revendedor faça a seguinte pergunta a si mesmo:


Eu amo tanto esse produto que eu compraria ele pro resto da vida?

]

Eu pagaria o valor que estão pedindo?


Eu acredito em representar essa empresa?


Eu sou bom de vender?


Se isso der dinheiro mesmo, eu quero fazer uma carreira em vendas?


(Tudo bem que não foi uma pergunta só, mas na dúvida, faça várias perguntas!!)


Se você responder sim pra TODAS, vá em frente. Se não, pula fora, existem outras maneiras de empreender ou investir. Várias outras maneiras.


Então pra resumir minha resposta pra essa pergunta que dá nome a esse vídeo é:

Você que sabe se vale à pena. Você decide.


Só não entre em esquema de pirâmide, e se alguém te apresentar uma proposta assim, fuja deles e denuncie.


Espero ter te dado algumas informações boas pra embasar sua decisão. Escolha bem!

74 visualizações1 comentário